segunda-feira, 19 de outubro de 2015

{Resenha} A Joia

Olá leitores, tudo bem com vocês?

Hoje eu trago a resenha de um livro que quase não vi comentários, mas que eu gostei muito, muito mesmo.
Antes de começar a resenha, uma perguntinha: Você seria capaz de gerar um filho para a realeza?




Autora: Amy Ewing
Editora: LeYa
Nota: 05/05


Sinopse: Joias significam riqueza, são sinônimo de encanto. A Joia é a própria realeza. Para garotas como Violet, no entanto, a Joia quer dizer uma vida de servidão. Violet nasceu e cresceu no Pântano, um dos cinco círculos da Cidade Solitária. Por ser fértil, Violet é especial, tendo sido separada de sua família ainda criança para ser treinada durante anos a fim de servir aos membros da realeza. Agora, aos dezesseis anos, ela finalmente partirá para a Joia, onde iniciará sua vida como substituta. Mas, aos poucos, Violet descobrirá a crueldade por trás de toda a beleza reluzente - e terá que lutar por sua própria sobrevivência. Quando uma improvável amizade oferece a Violet uma saída que ela jamais achou ser possível, ela irá se agarrar à esperança de uma vida melhor. Mas uma linda e intensa paixão pode colocar tudo em risco! Em seu livro de estreia, Amy Ewing cria uma rede de intrigas e reviravoltas na qual os ricos e poderosos estão mais envolvidos do que se possa imaginar, e onde o desejo por saber o destino de Violet manterá o leitor envolvido até a última página.

Em “A Joia”, primeiro livro da série Cidade Solitária, conhecemos Violet, uma garota nascida e criada de forma humilde no Pântano. A cidade onde vive é dividida da seguinte forma: o Pântano, onde vivem as pessoas humildes; a Fazenda, onde cultiva-se os alimentos; a Fumaça, onde estão instaladas todas as fábricas; o Banco, onde ficam os comerciantes; e por fim a Joia, onde vive a realeza.

As mulheres da realeza são extremamente ricas, porém nenhum dinheiro no mundo é capaz de fazê-las gerar seu próprio filho, ou eles morrem ao longo da gestação, ou nascem com deformidades. Entretanto, as mulheres do Pântano são capazes de gerar seus filhos sem nenhuma deformidade e com muita saúde, porém, as mulheres do Pântano possuem presságios, que são dons raros.

Pode parecer bizarro, mas todos os anos, a Joia realiza leilões a fim de vender as garotas do Pântano para gerar os filhos da realeza. E quanto mais alta a classificação, maior é o seu dom, mais especial será a criança gerada.

E a Violet tinha um presságio muito bom, o que fez com que a garota ficasse em um dos lotes mais altos do leilão daquele ano, e foi '‘comprada’' por uma das mulheres mais influentes da Joia.

Durante o decorrer do livro, que é narrado em primeira pessoa, ficamos chocados com os relatos de como acontece a fecundação, dos testes que são obrigadas a fazer, da dor que passam para realizar um presságio e principalmente pela forma que ocorrem as mortes (sim, têm algumas mortes no livro).

Mas nem tudo é tristeza nessa distopia, também vemos um amor florescer, Violet se apaixona por um acompanhante, Ash Lockwood, o que deixa algumas partes do livro muito fofas e mais leve, é aquele momento em que respiramos aliviados.

O final desse livro é de te fazer enlouquecer, você imagina que tudo vai acabar de forma previsível, porém acontece uma reviravolta gigantesca.

Lembrando que esse livro é apenas o primeiro da série A Cidade Solitária, e o próximo livro só tem previsão de lançamento para 2016.

Mais do que recomendada essa leitura!

Alguém aqui já leu? Deixe seu comentário aqui embaixo

Beijos
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário