quinta-feira, 30 de julho de 2015

{Resultado} Por Um Toque de Ouro + O Pequeno Príncipe Edição capa dura #2

Olá meus amores, 

Bom, domingo realizamos o sorteio dos livros Por um Toque de Ouro e O Pequeno Príncipe, porém, a ganhadora não entrou em contato e tivemos que realizar um novo sorteio.



Parabéns Kaike Araujo

Entraremos em contato por e-mail e você terá até 24 horas para nos responder. Caso isso não ocorra iremos realizar um novo sorteio

Obrigada a todos que participaram e até a próxima :)

Um grande beijo
Ketilin e Clara 

domingo, 26 de julho de 2015

{Resultado} Por Um Toque de Ouro + O Pequeno Príncipe Edição capa dura

Oi gente,

Hoje realizamos o sorteio do livros lindos Por um Toque de Ouro + O Pequeno Príncipe com a edição de capa dura



Parabéns Maxuelen Pagung, você foi a sortuda da vez!!!

Entraremos em contato por e-mail e você terá até 24 horas para nos responder. Caso isso não ocorra iremos realizar um novo sorteio

Obrigada a todos que participaram e até a próxima :)

Um grande beijo
Ketilin e Clara 


sábado, 25 de julho de 2015

25/07- Dia do Escritor





Oi oi gente, 

Hoje é dia daqueles que nos fazem imaginar, que nos fazem viajar sem sair do lugar. Que nos encantam, que emocionam e nos fazem suspirar.

Hoje, dia 25 de Julho, comemoramos o Dia do Escritor.

Agradecemos a todos os escritores, conhecidos ou não, por todas as noites em claro, por todo os dias debruçados sobre um computador a fim de entregar uma boa história, um bom conto, uma crônica, até um simples verso.

Obrigada a todos os escritores, que transformam a nossa vida de uma forma espetacular!

Nós do Amor em Cada Página agradecemos imensamente por todas as emoções, que vocês escritores, nos proporcionam todos os dias.

Um enorme beijo
Ketilin e Clara


segunda-feira, 20 de julho de 2015

{Resenha} Por Um Toque de Ouro

Oi oi gente, 


Hoje nós vamos apresentar para vocês o ultimo trabalho da linda da Carolina Munhoz. Para quem acompanha o trabalho dela há algum tempo, vai sentir um grande impacto com esse novo livro, pois é completamente diferente de tudo o que ela já escreveu, pois grande parte de seus livros tratam de fadas. Já nesse livro a Carolina nos apresenta uma fantasia diferente, aqui nós conhecemos um pouco da lenda irlandesa: os Leprechaun.


Autor: Carolina Munhóz
Editora: Fantástica Rocco
Número de Páginas: 270
Classificação: 5/5 

Sinopse: Por Um Toque de Ouro - Depois do bem-sucedido O Reino das vozes que não se calam – criado em parceria com a atriz Sophia Abrahão e desde o lançamento na lista dos mais vendidos de ficção nacional da Nielsen – a escritora Carolina Munhóz apresenta Por um toque de ouro, que abre a Trindade Leprechaun, sua primeira trilogia, inspirada nas lendas irlandesas. Ambientado na Dublin contemporânea e protagonizado por uma jovem ligada ao mundo fashion que descobre ser herdeira de uma rara linhagem de seres mágicos considerados guardiões de potes de ouro, Por um toque de ouro é um romance de fantasia urbano e contemporâneo.



Visão Geral


Em Por Um Toque de Ouro, conhecemos a história de Emily O’Connell, uma menina extremamente rica e mimada, única herdeira de uma importante marca de acessórios, a O’C, a menina é como a Queen B da Irlanda, invejada e desejada por todos, Emily também é dona de uma misteriosa sorte, sempre conseguindo escapar de situações constrangedoras e obtendo sucesso em tudo que faz. A patricinha que frequenta as festas mais badaladas, e sempre está acompanha de seu amigo, que já é praticamente um irmão, a ‘bicha má’ do Darren, os dois são inseparáveis, e em nossa opinião, perfeitos juntos!

“Não gosto de viver o amanha. Prefiro sempre viver o momento”



Tudo na vida da patricinha ia de vento em poupa, até o dia de St. Patrick, em que depois de algumas taças de champanhe ela acaba dentro de um banheiro sendo violentada por um rapaz e, querendo evitar isso, algo muito estranho acontece. Fato esse que a assombrou durante vários dias após o evento, e decorrente a isso Emily sentiu que sua sorte havia mudado, nada mais era como antes, e para piorar tudo, a menina conhece um americano extremamente arrogante que começa a lhe roubar o sono.


Depois de muitas brigas e implicações, Emily embarca em uma viajem a Londres com Aaron, e seu amigo fiel Darren. Durante a viajem, a ruiva descobre que a sua sorte não era 'apenas' sorte, e sim um dom, um toque de ouro, que poucas pessoas possuem. E esse dom é adquirido de duas formas, no momento do nascimento ou por genética, e no caso de Emily, seu toque de ouro, foi adquiro por genética.

"- Você é um Leprechaun! - declarou Aaron, sem rodeios. 
Por coincidência ou sorte, o segundo andar do ônibus esvaziara durante a conversa, e os dois, que se encaravam e tinham esquecido qualquer paisagem de Londres, eram agora os únicos passageiros."

O que Emily não esperava, e nós leitores nem imaginávamos, é que ela seria vítima de uma traição muito grande, vinda de uma pessoa que era digna de sua confiança. Uma traição que nos fez prender a respiração e se perguntar como isso havia acontecido. Fomos completamente surpreendidas pelo rumo que o livro tomou.

 “[...] mulheres abrem seus corações com facilidade. Homens os machucam com a mesma desenvoltura.”


Adorei ver a evolução da Carolina neste livro, já li outros livros escritos por ela, e posso dizer sem sombra de dúvidas que suas palavras e descrições me fizeram ser transportada imediatamente para a Irlanda, me fez gostar da lenda dos Leprechaun, e me deixou completamente sem chão com o final do primeiro livro da trilogia. Que venham os próximos livros e que sejam tão espetaculares quanto ao primeiro.




Um grande beijo
Clara e Ketilin

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Harry Potter



-After all this time?
-Always!



E novamente é 15 de julho, para algumas pessoas é apenas mais um dia comum, mas para os portterheads é um dia bem nostálgico. Há quatro anos atrás estava sendo exibido nos cinemas o último filme da franquia de Harry Potter. 

Quatro anos atrás, todos estavam ansiosos para assistir o último filme, a batalha final, onde o bem enfrentaria o mal, e venceria mais uma vez, provando que a maior magia do mondo é o amor.





Tenho certeza que vocês ainda se lembram qual foi a sensação de ler as primeiras páginas dos livros... ver o primeiro filme... o vazio que sentiram ao assistir o ultimo filme... Sei que ainda existem crianças, adolescentes e até mesmo adultos, que esperam ansiosamente por sua carta de Hogwarts.

Uns afirmam que tudo isso é bobagem... brincadeira de criança. Mas não é, para mim e, para todos os que acreditam, Harry Potter é real, como não ser se você esteve presente durante toda a vida de Harry, dos pais deles e até mesmo dos filhos? Você estava lá o tempo todo acompanhado o desenrolar das historia. Testemunhamos a derrota de Você-Sabe-Quem; vimos Lily dar a vida pelo filho; fomos na estação Kings Cross, dezenove anos depois, quando tudo estava bem, ver Harry, Ron e Hermine embarcar os filhos. Depois de tudo isso, como dizer que não é real? Que é apenas uma brincadeira?





Como dizer que Harry Potter acabou, se nem mesmo J K escreveu a palavra 'fim'? Talvez algum dia Harry Potter acabe - o que acho extremamente difícil de acontecer - mas eu te digo, se esse dia chegar, só existirão trouxas no mundo, pois uma coisa é certa, enquanto existir, pelo menos um coração bruxo batendo, Harry Potter estará vivo! 







Um grande beijo,
Clara e Ketilin.


terça-feira, 14 de julho de 2015

{Resenha} O Colecionador de Lágrimas - Holocausto Nunca Mais

Autor: Augusto Cury
Editora: Planeta
Número de páginas: 376
Classificação: 5/5

Sinopse: "Um professor especialista em nazismo e II Guerra Mundial, começa a ter insônia e pesadelos, como se estivesse vivendo as atrocidades do Nazismo. A partir disso o passado passa a ser vivo para ele. Em um ponto de desatino, sobe na mesa da sala de aula e diz que os alunos são parceiros de Hitler. Sua intenção é, na verdade, provocar a sensibilidade e a curiosidade de seus alunos. Bem quisto por alguns, mas muito criticado e até processado por outros, ele é banido da universidade. Mas fica famoso recebendo diversos convites para conferências enquanto se esconde de um estranho complô nazista que tenta a todo custo assassiná-lo. Seu reconhecimento como grande historiador faz com que receba um convite de cientistas alemães, que pesquisam uma máquina complexa, financiada pelas forças armadas e que usa a teoria da relatividade e da quântica para conseguir viajar no tempo. Mas por que ele? O convite então se torna claro: tudo o que os alemães querem é alguém com competência suficiente para voltar no tempo, matar Hitler e mudar a história. Apesar de eliminar todo o mal causado por Hitler, conseguiria ele chegar à infância do ditador e assassiná-lo. Faria ele esta atrocidade?" 

Visão Geral



Eu sei que por ser um autor nacional, e ser conhecido por escrever livros de autoajuda, muitas pessoas tem receio de ler obras do Augusto Cury, eu mesma tinha esse receio. O Colecionador de Lágrimas é o segundo livro do Cury que leio, e mais uma vez fiquei completamente encantada e presa ao livro. Neste livro o autor aborda o tema do Holocausto.. o Nazismo, ou melhor, Augusto Cury desconstrói a imagem de Hitler.

“E Hitler? Era um escritor sem brilhantismo, um pintor frustrado que pintava aquarelas no estilo de cartões-postais. E como vimos, era um confesso amante da música. Ele declarou, logo após iniciar a guerra: ‘ Sou um artista e não um político. Quando terminar a guerra, pretendo me dedicar às artes...’ Com uma mão ele destruía, com a outra, acariciava. Com uma mão manipulava a espada, com a outra o pincel.”

O protagonista de Cury é o professor Júlio Verne, um psicólogo que se apaixonou por história e decidiu seguir essa paixão se formando e dando aula da respectiva matéria. O professor, como todos os personagens de Cury, tem uma personalidade forte e bem marcante. Já nas primeiras páginas do livro, o professor começa a ter pesadelos estranhos, onde se vê colocado em cenas do Holocausto, Júlio se encontra assombrado por esses episódios que lhe ocorrem durante o sono, e até mesmo sua mulher, uma psicóloga inteligentíssima, começa a se preocupar com a saúde psíquica do marido. O professor, desnorteado com os horrores noturnos, decide levar o tema do Nazismo para a sala de aula, e junto com seus alunos começa a desconstruir e dissecar a personalidade de Hitler, e ajuda-los a entender como o povo alemão aceitou o nazismo imposto por Hitler.
Durante todo o tempo em que estava lendo o livro – e até agora – eu desejei arduamente estar presente em uma das aulas de Júlio Verne, e mesmo este sendo um personagem fictício, aprendi muito com ele. O professor que era um forte crítico do sistema cartesiano, ou seja, acreditava que as ciências exatas.. a matemática, retirou dos indivíduos a humanidade, de acordo com o professor, a lógica nos retirou ou dificultou a habilidade de nos colocar no lugar dos outros; vemos apenas números e não pessoas, as vitimas do Holocausto são apenas meros números e não pessoas que tinham sentimentos, que amavam alguém...

“A tecnologia está pulsando ao nosso redor. Mas o mesmo sistema lógico-matemático que nos fez exímios construtores de produtos sequestrou nossa emoção, prostituiu nossa sensibilidade, asfixio a maneira como encaramos e interpretamos o sofrimento humano.”

Em uma de suas aulas o professor traz uma questão intrigante para os alunos, depois de um relato de seus estranhos pesadelos, ele pergunta se os alunos fossem jovens alemães, vivendo em uma Alemanha detonada pelo final da 1º guerra e “escrava” do Tratado de Versalhes, quantos deles diriam Heil, Hitler! ? Considerando a sociedade e os esclarecimentos que temos hoje, diríamos que nunca, nunca seriamos a favor de Hitler, ou o saudaríamos, mas se levarmos em conta a situação que se encontrava a Alemanha, quando Hitler surgiu, ele foi um herói e não um vilão. Como um psicopata nato, sabia direitinho como abordar os alemães, e fez isso tão bem, que algumas pessoas pensaram que ele era o Messias enviado por Deus, e que tudo o que estava fazendo era para o bem do mundo. Longe de eu defender os nazistas, mas também não podemos julgar o povo alemão por terem dado espaço para Hitler, pois hoje em dia, nós somos inúmeras vezes influenciados, seja por meio de propagandas, ou como nossos pais dizem ‘as más influencias’, não podemos julgar e atirar pedras nos alemães pois eles foram as primeiras vitimas de Hitler, ele em seus discursos, devorou a mente dos alemães.

“Os políticos atuais abraçam crianças durante a campanha eleitoral para mostrar afetividade e proximidade. Hitler foi mais longe. Para conquistar o palco social, ele primeiramente conquistou os bastidores da emoção.”

No decorrer do livro, Júlio Verne começa a não ter somente pesadelos noturnos, mas também diurnos. Cartas estranhas, pessoas estranhas parecendo vindos de outro século, mas precisamente de uma Alemanha ainda nazista, começam a assombra-lo. O professor e a esposa se encontram em situações de riscos, e a dúvida que paira sobre todos, por que alguém iria perseguir um mero professor de história? E quem estava o perseguindo?
O Colecionador de Lágrimas foi um livro que fez refletir muito, hoje posso dizer que o professor Júlio Verne foi um dos melhores professores de história que tive. E bem, quem assim como eu, é apaixonado pela temática da Segunda Guerra, eu recomendo a leitura desse livro, não só pelas questões reflexivas, mas porque todos os dados dessa obra são verídicos, a única ficção que existe aqui, é o enredo. No final do livro, Augusto Cury deixou uma lista imensa das referências bibliográficas. E acredito que este livro seja indispensável para a nossa formação intelectual e humana.

“Essa é uma breve história da sofisticadíssima propaganda imprimida  por um simples soldado que quinze anos depois de perder a Primeira Guerra Mundial se tornou chanceler e dominou generais e marechais, deixando o mundo assombrado.”




Leia Ouvindo: 


Um grade beijo,
Clara e Ketilin

sábado, 11 de julho de 2015

{Fanfic} Delírios - Capítulo 2


Oi oi gente, 

Confira mais um capítulo da Fanfic "Delírios"

-Srta. Madness, sua mãe já veio buscá-la – disse uma senhora de mais ou menos 42 anos, com cabelos acinzentados.

–Diga a ela que só vou pegar minhas coisas Sra. McAdans – respondeu Alice sem demonstrar nenhum tipo de sentimento, nem mesmo um sorriso.

Já havia cinco anos desde que Alice tinha sido internada no sanatório, depois de quase matar a prima, a empurrando de uma janela, só porque a mesma tinha zombado por Alice acreditar que o país das maravilhas era mesmo real. Agora nem mesmo Alice acreditava que havia mesmo um mundo desconhecido por muitos, onde habitavam seres extremamente interessantes e maravilhosos, sequer se lembrava de que tinha ido lá algum dia. Ela pegou suas poucas coisas e foi ao encontro de sua mãe.

Alice não sabia ao certo se realmente queira sair do sanatório, aquele lugar foi sua “casa” por cinco longos anos, então porque sair dali e voltar a morar com seus pais? Ela não sabia.

Elas chegaram à grande casa da família Madness, e a menina voltou para o seu antigo quarto. Ele continuava exatamente igual, sua mãe nunca trocara nada de lugar, mas aquele quarto não trazia boas lembranças para a menina, foi naquele quarto que Alice empurrou sua prima, ela só não conseguia lembrar o verdadeiro motivo de ter feito isso.

Ela foi até a janela, e de lá viu a piscina que sua prima quase morreu afogada, já que não sabia nadar. Ela pode notar que a piscina estava suja, cheia de folhas e a água estava um pouco escura, aquilo fascinou. A água da piscina parecia tão convidativa, parecia que ela gritava por Alice, e esta sentiu uma imensa vontade de pular na piscina, mesmo que a água estivesse escura.

Ela ficou longos minutos observando aquela água escura que parecia esconder segredos, e tentou entender o que aconteceu com sua vida nos últimos cinco anos, muita coisa havia mudado, ela já não era mais uma menina de quinze anos que sempre acreditou em contos de fadas, agora era uma mulher de vinte anos, fria e um pouco insensível.

Ela estava enfeitiçada pelas águas escuras, parecia que quanto mais ela olhava mais escura as águas ficavam, e ela tinha mais vontade de pular e descobrir os segredos que nelas estavam escondidos.

Ela subiu em sua janela, olhou para seu quarto, e lembrou-se de sua prima, fechou os olhos e pulou.

A água que atingiu a menina era fria e parecia que a puxava para o fundo, só que não tinha exatamente um fundo, a menina debatia-se tentando voltar à superfície, mas seu esforço era em vão.

Ela então desistiu de lutar contra a água, e fechou os olhos.

Quando Alice “despertou de seu sono”, ela não estava no sanatório, ela não estava em sua casa, ela não estava na piscina. Ela estava deitada em uma grama um pouco desbotada, e não havia ninguém perto dela. Ela tentou se lembrar de como tinha chegado naquele lugar estranho, mas a única coisa que lembrava era de ter pulado na piscina. Será isso um sonho? 

Ela sentou na grama se sentindo meio zonza, suas roupas estavam sujas e um pouco rasgadas, mas isso não era importante no momento, ela só queria saber onde estava, ela só queria voltar para casa.

Ela viu um coelho branco se aproximando, mas ele não era um coelho comum, ele usava roupas, e roupas elegantes. Ele se aproximou de Alice e sorriu.

– Que bom que voltou Alice – disse o coelho.


~x~

Semana que vem postaremos mais um capítulo da Fanfic Delírios 

Um grande beijo
Ketilin e Clara

{Resenha} O Inverno das Fadas


Oi oi gente, 

Hoje é dia de resenha, e o escolhido da vez é "O Inverno das Fadas" da Carolina Munhoz <3


Autor: Carolina Munhoz  
Editora: Fantasy-A Casa da Palavra  
Número de Páginas: 304
Classificação: 4/5 
Sinopse: Existem pessoas normais em nosso planeta. Homens e mulheres simples que nascem e morrem sem deixar uma marca muito grade ou mesmo significativa na humanidade. Mas existem outros que possuem talentos inexplicáveis. Um brilho próprio capaz de tocar gerações. Como eles conseguem ter esses dons? De onde vem a inspiração para criar trabalho maravilhosos? São cantores com vozes de anjos, artistas com mãos de criadores e escritores normais. Existe uma explicação para isso. Sophia é uma Leanan Sídhe, uma fada-amante, considerada musa para humanos talentosos. Ela é capaz de seduzir e inspirar um homem a escrever um best-seller ou criar uma canção para se tornar um hit mundial. A dafa dá o poder para que a pessoa se torne uma estrela, um verdadeiro ícone, ao mesmo tempo em que se aproveita da energia do escolhido para alimentar - se. Causando loucura... E Morte. 



Visão Geral



Pode um ser humano se apaixonar e ter uma vida feliz ao lado de uma fada? Existe amor capaz de superar todas as diferenças e superar a magia existente nesses seres?

Em O Inverno das Fadas, Carolina Munhoz conta a vida de dois seres completamente diferentes. 

Willian é um jovem escritor que administra o sebo da família e é completamente apaixonado pelo mundo das fadas. Recentemente, Willian tem sonhado com fadas, tem sonhado com a mais deslumbrante de todas... o nome desse ser mágico era Sophia, uma Leanan Sídhe, uma fada capaz de fazer os homens e mulheres ficarem loucos por sua beleza e poder de sedução. 


" - Eu poderia estar mais uma vez fechando meu coração - disse ele. - Eu poderia estar mais uma vez dizendo não. Mas , a vida nos mostra caminhos. E descobri que preciso do seu carinho e das milhares de qualidades que um anjo como você possui."


O ser humano que se envolve com uma Leanan Sídhe terá uma vida regada a muito sucesso, fama e glória. Mas tudo tem seu preço. Da mesma forma que recebem tudo o que sempre almejaram, também recebem sofrimento, pois a fada quando não precisa mais da energia que seus humanos transmitem a ela por seus talentos, a fada simplesmente os levam a loucura e acabam se matando por não viver longe da fada.


" Porque todas as coisas boas chegam ao fim?"


Willian, assim como muitos seres, se envolveu com Sophia, se encantou pela garota e por todos os momentos de prazer que ela lhe proporcionou. Foi convidado a fazer um livro para um concurso e isso fez com que a garota se aproximasse ainda mais dele.
O que os dois não poderiam imaginar é que deste envolvimento existiria um amor e com ele muitos e muitos problemas. 

A Leanan não poderia se apaixonar por um humano, ela não foi criada para sentir amor e sim para fazer todos ao seu redor ficarem jogados aos seus pés.


" [...] - Enxergo em William algo muito maior.É maior que eu mesma. Vejo nele uma bondade encontrada em santos, um romantismo de poetas do passado e uma força de vontade de guerreiros medievais."


Os dois enfrentam diversas dificuldades no decorrer do livro, o que faz com que o leitor imagine como seria se fadas  como Sophia existisse.


" - Eu choro porque amo você - berrou a garota.
- Então ria porque me ama - retrucou o rapaz. - Não se entregue à morte, pois eu nunca me entregarei a ela. Se me ama, fique ao meu lado e sorria. Mesmo se a dona da escuridão me buscar, irei em paz."


Por mais singelo que seja, Carolina faz uma pequena homenagem e critica as grandes celebridades que morreram muito cedo, e tudo isso pelo fato de que a fama, muitas vezes leva o ser humano ao mundo das drogas, da loucura e por fim, a morte.


Leia Ouvindo




Um grande beijo
Ketilin e Clara 


quinta-feira, 2 de julho de 2015

{TBR} Maratona Literária de Inverno

Oi oi gente, 

Durante o mês de junho irá acontecer a Maratona Literária de Inverno 2015 que está sendo organizado pelo Geek Freak.

Nós (Ketilin e Clara) resolvemos participar esse ano para testar nossos limites e ver quantos livros conseguimos ler em um mês. 

Durante toda a maratona, irá acontecer alguns desafios e pretendemos cumprir pelo menos a metade hahah'

Para quem quiser saber mais detalhes clique aqui 
As inscrições vão até amanhã (dia 03/07)

Vamos ver os livros que selecionamos para a maratona?


1ª Semana: Fantasias, Distopias e/ou Ficção Científica

Escolha da Ketilin: Cidade das Cinzas
Escolha Clara: Fallen, Sonho de uma noite de verão, Morte Súbita





2ª Semana: Thriller, Suspense e/ou Terror

Escolha Clara:  É melhor não Saber, Misery



3ª Semana: Ya Contemporâneo, Romance e/ou Drama


Escolha Clara: O diário de Anne Frank, Se eu Ficar, A Garota que você deixou para trás
Escolha Ketilin: A Garota que você deixou para trás




4ª Semana: Livros Nacionais 

Escolha Clara: De Repente Ana 
Escolha Ketilin: Dom Casmurro 





Um livro com figuras ou ilustrações

Escolha Clara: Sonho de uma Noite de Verão
Escolha Ketilin: Cassadores de Tesouros




Comece e/ou termine uma série, trilogia ou duologia

Escolha Clara: Fallen 
Escolha Ketilin: Jogos Vorazes



Um livro que alguém escolheu por você

Escolha Clara: É melhor não Saber
Escolha Ketilin: Entre o agora e o sempre



Um livro que já virou ou vai virar uma adaptação cinematográfica

Escolha Clara: Se eu Ficar
Escolha Ketilin: Jogos Vorazes




Um livro com a capa azul

Escolha Clara: O Diário de Anne Frank
Escolha Ketilin: Cidades das Cinzas



Um livro do gênero que você menos leu ano passado

Escolha Clara: Misery
Escolha Ketilin: Entre o agora e o sempre




Um livro que você ganhou

Escolha Clara: Dom Casmurro e A Garota que você deixou para trás
Escolha Ketilin: A Menina que Colecionava Borboletas e A Garota que você deixou para trás





 Um livro com mais de 400 páginas

Escolha Clara: Fallen
Escolha Ketilin: Cidades das Cinzas






Bom gente é isso. 

Totalizamos da seguinte forma:


Clara: 8 livros 

Ketilin: 7 livros 


Quem vai participar da TBR? Estamos na expectativa para o início da maratona! 

Boa sorte a todos!!


Um beijão
Ketilin e Clara

quarta-feira, 1 de julho de 2015

{Fanfic} Delírios - Capitulo 1

Delírios


Categorias: Alice no País das Maravilhas
Gêneros: Aventura, Fantasia, Romance, Amizade
Notas: Os personagens não me pertencem, porém o enredo é meu.
Esta história já foi postada no Nyah
Autora: Maria Clara Neves
Descrição: Já havia cinco anos desde que Alice tinha sido internada no sanatório, depois de quase matar a prima a empurrando de uma janela, só porque a menina tinha zombado por Alice acreditar que o país das maravilhas era mesmo real. Agora nem mesmo Alice acreditava que havia mesmo um mundo desconhecido por muitos onde habitavam seres extremamente interessantes e maravilhosos, ela sequer se lembrava de ter isso lá um dia.


Capítulo 1 


Parecia que os ponteiros do relógio queriam castigá-lo, o tempo parecia se arrastar cadê vez mais, minutos pareciam horas, horas pareciam dias, dias pareciam semanas e semanas pareciam séculos.

Alice havia prometido que iria voltar, ela prometera para ele. Ela tinha que voltar.

Os ponteiros do relógio passavam lentamente diante seus olhos, o torturando. Ele sentia que ser atingido por mil facas doeria menos que essa longa e demorada espera. 

O Chapeleiro já não era mais Maluco, não existia aquele toque de loucura em seu olhar. O seu tão precioso chá das cinco já não tinha mais importância. Os seus trocadilhos perderam a rima. Nem mesmo a Lebre conseguia alegrá-lo. A menina de cabelos dourados tinha ido embora, e consigo levado a maluquice do Chapeleiro.

A única coisa que ele fazia era pensar na menina. “Eu volto, prometo” disse Alice antes de partir.

tic tac, tic tac, tic tac

Era só isso que o relógio sabia fazer.

- Tic Tac, Tic Tac.. malditos relógios – e atirou mais um de seus mil relógios longe. 

O Chapeleiro não tina a mínima ideia de quanto tempo havia se passado desde que ela foi embora, poderia ter se passado séculos, anos, meses, semanas, dias, horas... 

Nada mais o alegrava, nem o chá, nem a lebre e nem o gato.

Por que será que ele não conseguia parar de pensar nela, parar de pensar naquela menina de pele branca e cabelos dourados? A resposta era simples e complicada, simples, pois ele sabia a respostas: ele a amava, e complicada, pois ela não estava ali, complicada, pois ele queria que ela estivesse ao seu lado.

O tempo passava e nada de Alice voltar.

Ela tinha prometido que voltaria em breve, mais esse “breve” estava demorando muito, estava demorando, e está demora corroía o Chapeleiro por dentro, dilacerava o coração dele, o tempo o torturava da pior forma possível.

O tempo havia se tornado o seu pior inimigo.



Semana que vem, postaremos o segundo capitulo dessa incrível fanfic

Um grande beijo,
Clara e Ketilin